Micro, pequenas e médias empresas do Vale do Ribeira receberão apoio gratuito para exportar produtos e serviços

Capacitação oferecida pelo Governo do Estado tem duração de quatro meses e está com inscrições abertas

Startups, micro, pequenas e médias empresas do Vale do Ribeira, de qualquer setor, poderão receber apoio para exportar seus produtos e serviços. Estão abertas as inscrições para as 300 vagas da 3ª turma do Exporta SP, programa gratuito de capacitação da Secretaria de Desenvolvimento Econômico do Estado de São Paulo, gerido pela InvestSP (Agência Paulista de Promoção de Investimentos e Competitividade). A capacitação é online e conta, além de seções em grupo, com mentorias individuais, para debater as necessidades de cada negócio.

Nas edições anteriores, empresas de cidades como Registro, Sete Barras, Jacupiranga, Eldorado, Juquiá e Cajati foram selecionadas. Boa parte com atuação no cultivo e na indústria da banana, uma das forças da economia da região. Quem quiser concorrer a uma vaga na próxima turma deve se inscrever, até o dia 11 de fevereiro, pelo site www.investsp.org.br. O Exporta SP já capacitou 355 empresas que não exportavam ou que já vendiam para o exterior e precisavam melhorar seus modelos de negócio.

Com o dólar em alta, cotado há vários meses acima dos R$ 5, as empresas brasileiras ficaram mais competitivas e têm buscado mercados lá fora, para aumentar o faturamento. Porém muitos negócios, principalmente os de menor porte, fracassam pela falta de conhecimento e de suporte. Os analistas da InvestSP identificaram gargalos que precisam ser eliminados para que essas empresas consigam exportar.

“É equivocada a visão de que exportar é algo só para empresa grande. O que acontece é que as pequenas muitas vezes pecam pelo desconhecimento sobre assuntos como câmbio, logística, adaptações do produto ou serviço e posicionamento internacional. O Exporta SP ajuda empresas com esse tipo de dificuldade e, historicamente, 20% começam a exportar já durante o programa”, explica o presidente da InvestSP, Gustavo Junqueira.

Dados do Ministério da Economia apontam que, em 2021, de cada 10 empresas exportadoras do Brasil, quatro ficavam em São Paulo. São pouco mais de 13 mil companhias habilitadas para negociar com o exterior, alta de 6,8% na comparação com 2020. Além de ter as melhores estradas, o maior porto e o maior aeroporto do país – em Santos e Guarulhos, respectivamente -, o que facilita a logística, o estado ainda é referência em setores como indústria e serviços e lidera várias áreas do agronegócio. No ano passado, as exportações paulistas cresceram 26,7% e chegaram a quase US$ 54 bilhões.

Exportar, porém, não deve estar relacionado ao dólar alto, que é uma situação de momento. Mas precisa ser visto, pelas empresas de menor porte, como algo estratégico capaz de fazer com que o negócio evolua. “A troca de conhecimento com parceiros de fora faz a empresa aprender coisas novas, acessar novas tecnologias, se reinventar e se tornar mais competitiva inclusive no mercado interno. Sem falar que o negócio passa a operar com mais segurança e deixa de ser refém de oscilações da economia brasileira”, diz Junqueira.

Outra vantagem para o empreendedor é que itens de exportação podem contar com um regime especial de tributação, até para que tenham preços competitivos lá fora. Sem falar nos ganhos para o estado que vão além do aumento da competitividade das empresas locais e passam pela geração de emprego e renda e pela melhora da imagem de São Paulo no exterior.

Redação

Read Previous

Prós e contras da entrada do Brasil na OCDE

Read Next

Como alcançar metas profissionais com estratégias de vendas

Leave a Reply

O seu endereço de e-mail não será publicado.