Oficinas culturais de fevereiro oferecem mais de 500 vagas gratuitas

Contação de histórias para bebês, clube de leitura, introdução ao cinema Queer e poesia contemporânea são alguns cursos disponíveis

A Secretaria de Cultura, Esportes e Cidadania (Secec), em parceria com o Governo do Estado, oferece 16 oficinas culturais em fevereiro. Ao todo, 560 vagas estão disponíveis para toda a população. 

As aulas serão realizadas pela plataforma Zoom Meetings, e para participar é necessário ter mais de 16 anos. Todas as atividades do programa podem ser acessadas aqui: linktr.ee/oficinasnointerior 

Confira a lista de oficinas:

Oficina para inscrição de projetos nas leis de incentivo à cultura 
 

Coordenação: Eva Laurenti 

Turma A: 01, 04, 08 e 11/2, 14h às 16h 

Turma B: 15, 17, 22 e 24/2, 10h às 12h 

Inscrições: 10/1 até o preenchimento das vagas 

50 Vagas 

Seleção: Primeiros inscritos 

Público-alvo: Produtores, artistas e demais interessados, a partir de 16 anos. 

Link de inscrição: https://forms.gle/9iaXXY7E2DryUMSw8

Sinopse: A oficina abordará os principais fundamentos para formatação de projetos culturais para inscrição na Lei Federal de Incentivo à Cultura e no ProAC ICMS – Programa de Fomento da Secretaria de Cultura e Economia Criativa do Governo do Estado de São Paulo.

Contação de história para bebês – Introdução
 

Coordenação: Fernanda Munhão 

Data e horário: 2/2, 14h às 17h 

Inscrições: 10/1 até o preenchimento das vagas 

60 Vagas 

Seleção: análise da ficha de inscrição 

Público alvo: interessados a partir de 16 anos. 

Link de inscrição: https://forms.gle/qceYSR2yXzLxpf1b9

Sinopse: A palestra trata da importância da leitura e da contação de histórias para os bebês. Como o bebê demonstra interesse pelas histórias? Como contar e ler histórias para os bebês? Quais os temas sugeridos? Quais os livros destinados a essa faixa etária? Quais os recursos utilizados para atrair a atenção do bebê? Um bate-papo descontraído destinado aos pais, professores, psicólogos e todos aqueles que se interessam pelas crianças desde o ventre ao tempo do brincar. 

Clube de leitura – Fragmentos modernistas na literatura brasileira
 

Coordenação: Mirtes Portella e Rudá K. de Andrade 

Datas e horários: 1, 8, 15, 22/2 e 8, 15, 22, 29/3, 18h30 às 20h30 

Inscrições: 10/1 até o preenchimento das vagas 

25 Vagas 

Seleção: primeiros inscritos 

Público-alvo: Interessados a partir de 16 anos 

Link de inscrição: https://forms.gle/1TdD5hNYLfejKMvr6

Sinopse: A Semana de Arte Moderna, em fevereiro de 1922, colocou os padrões estéticos tradicionais paulista em polvorosa. Esta atividade pretende refletir sobre como esse movimento de vanguarda mostrou uma arte radicalmente oposta aos valores orientados pelo parnasianismo. Por meio de leituras de textos e imagens, a proposta é traçar um percurso crítico de resgate e ressignificação do olhar modernista Pau-Brasil que preconizava: “ver com os olhos livres”. 

Palestra: Lygia Clark: da arte à terapia – Estudos dos objetos relacionais 
 

Coordenação: Dani Bargas 

Datas e horários: 1/2, 18h às 21h

 Inscrições: 10/1 até o preenchimento das vagas 

50 Vagas 

Seleção: primeiros inscritos 

Link de inscrição: https://forms.gle/cMMkeBJYp7eZATcZ7

Sinopse: Nesta palestra será apresentado o pensamento, a trajetória,e a obra de Lygia Clark por meio de seus “Objetos Relacionais” como dispositivos para interconexão entre espaço interno e externo, corpo e cosmo. Lygia Clark foi pintora e escultora brasileira nascida em Minas Gerais, pioneira da arteabstrata e dedicou-se ao estudo do espaço e da materialidade. A radicalidade com que explorou as potencialidades expressivas dos planos levou-a a desdobrá-los. Interessada em despertar todos os sentidos do público, mergulhou nas trocas sensoriais para criar uma linguagem relacional. A artista Lygia Clark se autodenominava propositora ou canalizadora de experiências, e assim, criou possibilidades terapêuticas da arte sensorial e dos objetos em relação com o corpo, com objetivo de ampliar a percepção, retomar memórias ou provocar diferentes emoções. 

Palestra: um passeio pela história da animação
 

Coordenação: Sirley Alencar 

Datas e horários: 4 de fevereiro – 14h às 16h 

60 Vagas 

Inscrições: 10/1 até o preenchimento das vagas 

Público-alvo: interessados em geral 

Seleção: Primeiros inscritos

Link de inscrição: https://forms.gle/q1Zf3Kujams3Wk7q9

Sinopse: A animação divide suas raízes históricas com o cinema. Os primeiros experimentos para transformar imagem em movimento usaram imagens criadas à mão. Magia, arte e ciência estiveram nos primórdios do cinema de animação. Arte rupestre, brincadeiras de luz e sombra ou óculos de realidade virtual: não importa a tecnologia empregada, a animação surge quando se tem o desejo de contar histórias através do movimento.

Oficina: Introdução ao Jogo
 

Coordenação: Simone Ordones (Grupo Galpão) 

Datas e horários: 8 e 10 de fevereiro, das 14h às 16h 

Inscrições: 10/1 até 27/1 

25 Vagas 

Público-alvo: estudantes de teatro em fase iniciante e pessoas interessadas em conhecer a prática teatral. 

Seleção: análise de ficha de inscrição 

Link de inscrição: https://forms.gle/yPYtDigGChf8vJxu7 

Sinopse: A oficina se propõe a explorar alguns dos elementos fundamentais para estudo e trabalho no teatro: sensibilização, consciência do corpo e do espaço, conhecendo vocabulários básicos tais como escuta, atenção, disponibilidade, energia e observação. A partir de exercícios de concentração, improvisação, expressão corporal, vocal e leitura de textos, o aluno terá a oportunidade de desenvolver a percepção de si mesmo, do outro e do coletivo. 

Introdução ao Cinema Queer
 

Coordenação: Fabrício Vilela 

Datas e horários: 8 de fevereiro, das 18h às 21h 

Inscrições: 10/1 até o preenchimento das vagas 

30 Vagas 

Seleção: Primeiros inscritos

Link de inscrição: https://forms.gle/63mTV1upkNm3QSFW6

Sinopse: A presente palestra tem como objetivo apresentar uma introdução ao cinema queer. Esse cinema alternativo emerge na década de 1990 nos Estados Unidos da América, idealizado por cineastas gays e lésbicas. A perspectiva desse cinema objetivava apresentar alguns estilos de vida de pessoas gays, lésbicas e trans e confrontar o cinema mainstream, criticando a heterossexualidade compulsória. O rótulo de cinema queer foi dado pela estudiosa de cinema B. Ruby Rich. Nesta palestra almejo apresentar os conceitos gênero, sexualidade, teoria queer, cinema queer e exibir algumas intervenções queer no audiovisual no Brasil. 

Freud é muito Black Mirror
 

Coordenação: Thiago Neres e Fábio Moreira Vargas 

Datas e horários: 10 de fevereiro, das 18h às 21h 

Inscrições: 10/1 até o preenchimento das vagas 

60 Vagas 

Seleção: primeiros inscritos 

Público-alvo: interessados em geral 

Link de inscrição: https://forms.gle/JRQ3yyNKPoA8HGhR8

Sinopse: Nesta oficina vamos mergulhar fundo em alguns episódios da série e analisar quais conceitos estão sendo tratados, como estão sendo tratados e o por que foram os escolhidos para estruturarem as narrativas em que se encontram. Vamos também analisar paralelos com a teoria escrita de Freud a partir de outras histórias clássicas que ele teve como base para suas teorias e como a série faz uso delas, para mostrar que Freud é muito Black Mirror. 

Introdução à Produção Cultural Musical Executiva
 

Coordenação: Cida Gonçalves 

Datas e horários: 11 de fevereiro, das 14h às 16h 

Inscrições: 10/1 até o preenchimento das vagas 

50 Vagas 

Seleção: primeiros inscritos 

Público-alvo: Estudantes, produtores e pessoas interessadas no tema, acima de 16 anos. 

Link de inscrição: https://forms.gle/p5jWRVMx1KwVkAZc8

Sinopse: Um produtor cultural musical está envolvido em todas as etapas de um projeto artístico e cultural, desde a captação de recursos até a apresentação final e avaliação dos resultados. Ele faz a ponte entre os setores de criação artística e de gestão de um projeto cultural. Dependendo do projeto ou show, esse profissional pode se envolver com questões técnicas e operacionais ou desenvolver atividades de gerenciamento de projetos como um todo. Nessa oficina serão apresentados conteúdos referentes à atividade deste com ênfase na área musical e executiva.

Oficina: A energia da palavra
 

Coordenação: Lydia Del Picchia (Grupo Galpão) 

Datas e horários: 15 e 17 de fevereiro, das 14h às 16h 

Inscrições: 10 a 27 de janeiro

30 Vagas 

Seleção: Análise de ficha de inscrição 

Público alvo: Atores, dramaturgos, músicos, estudantes e pesquisadores de teatro. 

Link de inscrição: https://forms.gle/X9bbMvvrhBKcAgTo9

Sinopse: A oficina focaliza o estudo do texto e a emissão da palavra através de estímulos vocais e corporais, leituras de textos e poemas, propondo ao ator uma investigação sobre o entendimento daquilo que conecta o trabalho em sala ao momento da cena, desenvolvendo princípios como o jogo e a polifonia, de maneira que o participante possa desenvolver sua atenção, escuta, disponibilidade e concentração.

Oficina: Poesia Contemporânea 
 

Coordenação: Caroline Maciel 

Datas e horários: 16, 18 e 23 de fevereiro, das 14h às 16h

Inscrições: 10/1 até o preenchimento das vagas 

30 Vagas 

Seleção: primeiros inscritos 

Público alvo: Interessados a partir de 16 anos 

Materiais necessários: Caderno e caneta para exercícios de escrita. 

Link de inscrição: https://forms.gle/pubUf86Tyxw7XzNH8

Sinopse: A oficina compartilhará leitura de poemas, apresentando características do gênero literário e breve cenário da poesia contemporânea. Os participantes serão convidados a experimentar a escrita criativa e compartilhar suas produções.

Encontros Líricos com o Barbeiro de Sevilha, de Gioachino Rossini  

Coordenação: Sergio Casoy

Datas e horários: 16 e 17 de fevereiro, das 18h30 às 20h30 

50 Vagas 

Inscrições: 10/1 até o preenchimento das vagas 

Seleção: primeiros inscritos 

Público-Alvo: todos os interessados

Link de inscrição: https://forms.gle/a8Pj32bpvrvVfrJD7

Sinopse: O formato denominado “Encontro Lírico” consiste em, tomando uma determinada ópera como tema, discorrer sobre suas origens e detalhes que envolvem sua criação – apoiada por exibição de imagens via Power Point – e a em seguida exibir e comentar, em vídeo, seus trechos mais significativos, retirados de várias produções daquela ópera para que os alunos possam, além de se familiarizar com o canto, comparar e constatar às várias possibilidades de produção teatral que um mesmo tema pode oferecer. Com Sergio Casoy, professor e pesquisador de música lírica, autor de “A invenção da ópera” e “Ópera de outros cantares”. 

Oficina: Grupo Galpão – Uma História de Teatro
 

Coordenação: Eduardo Moreira (Grupo Galpão) 

Datas e horários: 22 e 24 de fevereiro, das 18h às 20h 

Inscrições: 10/1 até o preenchimento das vagas 

60 Vagas 

Seleção: Primeiros inscritos 

Público alvo: Atores, estudantes, pesquisadores de teatro e das artes em geral. 

Link de inscrição: https://forms.gle/QKWtFaJ11FDKTY486

Sinopse: A oficina “Grupo Galpão – Uma história de teatro” propõe o cruzamento das montagens do grupo Galpão, feitas ao longo de quase 40 anos, com a história do teatro e seus diferentes gêneros e estilos. Passeando pela tragédia grega, os autos medievais, a Commédia dell’arte, o teatro popular e barroco, o teatro Elizabetano, a Comédia clássica, o teatro realista e a dramaturgia de Anton Tchékhov, o teatro épico de Brecht e a performance da cena contemporânea e as referências de trabalho de alguns dos principais encenadores brasileiros e estrangeiros com quem o Galpão trabalhou, a oficina vai relacionar tais tópicos com as montagens e workshops desenvolvidos pelo grupo.

Oficina: Uma breve experiência de grupo 
 

Coordenação: Julio Maciel (Grupo Galpão) 

Datas e horários: 8 e 10 de março, das 18h30 às 20h30

Inscrições: 10/1 até 27/1 

30 Vagas 

Público-alvo: Atores, estudantes, pesquisadores de teatro.

Seleção: análise pela ficha de inscrição 

Link de inscrição: https://forms.gle/YheERD5CFEHuDMWm7

Sinopse: A oficina tem como objetivo investigar algumas questões do fazer teatral hoje, através de práticas e trocas de experiências entre os artistas envolvidos: Como continuar produzindo arte? Quais possibilidades para a criação poderiam se abrir neste momento de isolamento? Como atenuar a falta da presença física na sala de ensaio? Como se sentir parte de um grupo e manter a energia para o trabalho de criação online? A partir destas perguntas, que devem permanecer abertas, vamos exercitar coletivamente nossa capacidade de jogo e interação no trabalho com a criação virtual.

Redação

Read Previous

2022 e as tendências em recursos humanos

Read Next

Elas na liderança!