Tendências para o treinamento virtual em 2022

Estudo da pesquisadora Cindy Huggett mostra os impactos da pandemia na EAD, formato e duração das aulas e tecnologias que serão empregadas

Pelo quarto ano consecutivo, Cindy Huggett, pesquisadora e autoridade mundial no tema Treinamento Virtual, realizou uma pesquisa global sobre este assunto com líderes de diversas organizações. A pesquisa The State of Virtual Training visa analisar as melhores práticas, percepções e recomendações sobre treinamento virtual ao redor do globo.

The State of Virtual Training 2022 traz insights, tendências e recomendações específicas que podem ser implementadas por sua organização.

Essa última pesquisa teve mais de 700 participantes e foi conduzida no período de julho a outubro de 2021. Os resultados estão disponíveis no sitehttps://www.cindyhuggett.com/blog/2022sovt/

Impacto COVID-19

Quase todos os entrevistados (91%) disseram que suas organizações têm aplicado mais treinamento virtual nos últimos dois anos devido ao isolamento social causado pela pandemia.

Com base em pesquisas recentes da ATD – Association for Talent Development, 88% das organizações planejam manter os mesmos níveis de investimentos com treinamento virtual em 2022. Baseada nestas pesquisas, a autora conclui que “o treinamento virtual continuará sendo um método de aprendizagem de escolha para a maioria das organizações”.

Em 2021, a novidade foi a modalidade de treinamento híbrido — aqueles que engajam os participantes presenciais e remotos no mesmo conteúdo simultaneamente. 62% dos entrevistados disseram que suas organizações já estão oferecendo ou planejam oferecer esse formato em breve.

Na nossa experiência prática, o treinamento híbrido funciona muito bem. Em 2021, nós conduzimos vários workshops com os líderes de Marketing, Vendas e P&D presentes conosco em estúdios e a força de vendas e áreas de suporte remotas.

Duração

A maioria das aulas virtuais permaneceram em torno de 60 minutos (semelhante aos resultados de pesquisas dos anos anteriores). No entanto, um número muito maior do que o esperado (29%) disse que seus treinamentos virtuais têm mais de duas horas de duração. Este é um aumento substancial em relação ao relatório do ano passado (19%) e foi quase insignificante no ano anterior. Nesses casos, a autora indica que para melhorar os resultados de aprendizagem e engajamento dos participantes, os workshops presenciais devem ser transformados e reorganizados quando transferidos para a modalidade on-line.

Uma parte específica do conteúdo pode ser aprendida de forma assíncrona, com colaboração, estudos de casos, games e discussões significativas em aulas virtuais. Na nossa experiência, temos resultados expressivos de treinamento on-line e híbridos de um dia (ou mais), com os participantes movendo-se entre atividades síncronas e assíncronas ao longo do programa, com o uso de ferramentas e atividades colaborativas e práticas.

A autora complementa: “Reprograme intencionalmente suas experiências de aprendizado para maximizar o tempo dos participantes na sala de aula virtual. Invista em recursos de design de aprendizagem e aumente o engajamento”.

Quantidade ideal de participantes no virtual

A pesquisa aponta que a maioria das aulas virtuais (83%) ainda tem menos de 25 participantes. E apenas, 7% têm mais de 50 participantes.

Na opinião de Cindy Huggett, “só porque você pode colocar mais pessoas em uma sala de aula virtual, não significa que você deve. O número certo de participantes depende dos resultados do programa que você está tentando alcançar”.

Nos últimos dois anos desta pesquisa, ela também perguntou: “Qual das opções a seguir se alinham mais a sua definição de treinamento virtual?”

Cerca de 15% escolheram “apresentação com um ou mais palestrantes” e 80% escolheram “aula de treinamento interativo”. A maioria das respostas restantes disse que são os dois ou é uma combinação dos dois.

Quando vejo esses dados, eu lembro dos insights do livro “Telling Ain’t Training” (Falar não é treinar, em tradução livre) do autor Harold D. Stolovitch e me questiono se as organizações confundem suas inúmeras apresentações com aprendizagem. Cindy Huggett ainda adiciona que “uma coisa é incluir aulas em vídeo em um programa de aprendizagem combinada, outra é substituí-los pelo treinamento prático”.

Webcams

O uso de vídeo continua a crescer nas aulas de treinamento virtual. 70% dos entrevistados disseram que estão usando mais webcams do que nos anos anteriores. 83% dos facilitadores usam câmeras digitais (60% o tempo todo, 23% em pelo menos parte da aula) e 64% dos participantes as usam pelo menos parte do tempo.

Não uso da webcam

Quando questionados sobre os motivos do não uso, as preocupações com largura de banda foi o motivo nº 1 citado (4%), seguido por restrições organizacionais e que alguns participantes ainda não estão equipados com webcams.

Fadiga do vídeo

A fadiga do vídeo também está aumentando, portanto, é importante estar atento ao uso da webcam. Por exemplo, ative-os para conversas e discussões em grupo e, em seguida, desligue-os durante outras atividades. Além disso, compartilhe técnicas para evitar o cansaço, como ocultar sua visão própria e usar o botão mudo quando não estiver falando para obter privacidade adicional.

Tempo de Desenvolvimento

Uma pergunta frequente entre os profissionais de T&D é quanto tempo leva para desenvolver uma hora de treinamento virtual interativo. Em 2009, a carga horária era de 69 horas. Uma atualização de 2017 relatou 28 horas. E no início deste ano, uma pesquisa atualizada por Robyn Defelice, consultora e estrategista de aprendizagem e performance, apontou 55 horas.

Na pesquisa deste ano, embora a tendência aponte para queda em relação aos anos anteriores, houve um ligeiro aumento neste ano, com 12,5 horas de tempo de desenvolvimento para cada uma hora de treinamento virtual interativo.

No entanto, é importante observar que neste tópico a autora fez uma pergunta específica: “O que você gostaria que sua organização fizesse de forma diferente em relação ao treinamento virtual?”. E a esmagadora resposta foi desejar mais adesão, tempo e recursos para criar um treinamento virtual de qualidade. A realidade pode até ser de 12,5 horas de tempo de design, mas o desejo é muito maior do que isso.

Plataformas e ferramentas

As plataformas virtuais estão se atualizando em um ritmo sem precedentes, adicionando novos recursos e ferramentas para interação. É impressionante ver as melhorias exponenciais.

A pergunta simples da pesquisa, “Qual a plataforma você usa?” revelou o seguinte:

  • Zoom continua sendo a ferramenta mais popular em uso, aumentando para 65% (em 2020 foi de 51% e no ano anterior apenas 30%)
  • Microsoft Teams deu o maior salto, para 51% em 2021 (28% no ano anterior)
  • WebEx passou para 29% (ante 25% de 2019),
  • Adobe Connect caiu para 14% (24% em 2019).
  • GoToTraining se manteve estável em 14%.

Ferramentas de Colaboração

Neste ano, a autora perguntou sobre o uso de ferramentas de colaboração de terceiros durante as aulas virtuais. Isso pode significar usá-los além (separados) da plataforma da sala de aula virtual ou integrá-los à plataforma.

  • Ferramentas como Kahoot (24%),
  • Poll Everywhere (23%),
  • Mentimeter (22%),
  • Miro (13%),
  • Mural (9%) e
  • Jamboard (7%) estão em alta.

Nós usamos bastante o Mentimeter nos nossos workshops em 2021, pois trouxe muito engajamento, boas discussões e alguns elementos de gamificação.  Em anos anteriores, alguns participantes tinham algumas dificuldades para fazer o login ou se atrapalhavam um pouco para usar a ferramenta, mas atualmente a maioria dos participantes utiliza com maestria e envolvimento.

Desafios

A autora fez duas perguntas abertas na pesquisa deste ano: “Qual é o seu maior desafio relacionado ao treinamento virtual?” e “O que você gostaria que sua organização fizesse de forma diferente em relação ao treinamento virtual?”

  1. Eles querem mais adesão dos líderes e outras partes interessadas.
  2. Eles querem que os facilitadores aprimorem as suas habilidades técnicas de entrega virtual.
  3. Eles querem que o suporte de TI seja capaz de usar plataformas de sala de aula virtual mais robustas, em vez de serem forçados a usar plataformas projetadas para reuniões.
  4. Eles querem que os participantes estejam equipados com tecnologia para se envolverem totalmente (webcams, fones de ouvido, etc.).
  5. Eles querem suporte para os “produtores” ajudarem a gerenciar a tecnologia.
  6. E, por fim, desejam dedicar tempo ao desenvolvimento de aulas on-line

E o futuro do Treinamento Virtual?

O que está mudando e o que vai mudar? Com as possibilidades de expansão do Metaverso, a autora acredita que estamos no início de uma nova era do treinamento virtual, que terá cada vez mais experiências de aprendizagem imersivas e envolventes.

No entanto, o resultado desta pesquisa ainda apontou uma participação modesta dessas tecnologias, com apenas 7% dos participantes indicando que estão incorporando tecnologias imersivas, como realidade virtual (VR) e realidade aumentada (AR) em suas aulas virtuais. No entanto, com todo o hype e investimento massivo em Metaverso, os próximos anos parecem promissores para este espaço de aprendizagem.

Sobre Tatiany Melecchi

Tatiany Melecchi é mestre em Marketing pela Massey University, Nova Zelândia,  a primeira brasileira certificada como Professional in Talent Development pela ATD                 (Association for Talent and Development) nos EUA, Coach ACC pela ICF pela International Coach Federation e Facilitadora Internacional Certificada pela LTEN (Life Sciences Trainers & Educators Network) nos EUA e facilitadora Internacional certificada em Neurociência da Gestão da Mudança pela 7th Mind, Inc nos EUA.

Top performer em Vendas na indústria farmacêutica no Brasil e Nova Zelândia, Tatiany Melecchi reúne mais de 20 anos de experiência nas áreas de vendas, marketing e treinamento e desenvolvimento de times comerciais em empresas globais com resultados expressivos no Brasil, Nova Zelândia e Estados Unidos.

Atualmente é autora da ATD Sales Enablement Community of Practice e CEO Fundadora da Consultoria Transforma People & Performance, onde dedica a sua carreira à pesquisa e desenvolvimento de metodologias e soluções inovadoras de aprendizagem. que visam facilitar a transferência do aprendizado para prática nas organizações e consequentemente maximizar a performance e resultados.

Temas de palestras e workshops

– Vendas na era phygital

– 5 Princípios de mindset de crescimento para times comerciais

– Seja um gestor da mudança

Redação

Read Previous

Construção civil projeta alta para 2022 e anima setor

Read Next

Confira 13 motivos para investir em concursos públicos em 2022

Leave a Reply

O seu endereço de e-mail não será publicado.